Faça sua camiseta:

Faça sua camiseta:
Muitos nos procuram querendo comprar uma camiseta do movimento pela ética evangélica, Nós não comercializamos camisetas, mas quem quiser ter uma basta pegar o modelo e mandar fazer no local de sua preferencia: http://exemplobereano.blogspot.com.br/2014/02/camisetas-do-movimento-pela-etica.html

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Não devemos sustentar os que não amam a Palavra de Deus




"Porque já muitos enganadores entraram no mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em carne. Este tal é o enganador e o anticristo. Olhai por vós mesmos, para que não percamos o que temos ganhado; antes, recebamos o inteiro garladão. Todo aquele que prevarica e não persevera na doutrina de Cristo não tem a Deus; quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto o Pai como o Filho. Se alguém vem ter convosco e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tampouco saudeis. Porque quem saúda tem parte nas suas más obras." II João 7-11
Tantos livros na Bíblia, e as pessoas se esquecem dos pequenos livros, os quais trazem apenas alguns versículos, sem divisão em capítulos. É o caso de II João, o qual traz os versículos expostos na chamada dessa postagem.

Como podem perceber, são versículos que deixam bem claro a posição do verdadeiro cristão diante daqueles que prevaricam* à verdade de Cristo. Além de descrever os prevaricadores como enganadores, anticristos e de não terem a Cristo em suas vidas, não podemos recebê-los em nossas casas, nem ajudar seus falsos ministérios.

Para saber se uma pessoa é um prevaricador do evangelho de Cristo, devemos ter comunhão com Deus por meio de sua Palavra e oração diária, para que possamos exercer o discernimento de acordo com a Bíblia e ajuda do Espírito Santo. Isso requer uma boa disciplina diária.

Quero ilustrar o que escrevi com algumas reflexões da nota de rodapé da Bíblia de Estudo Pentecostal (CPAD, 1998) referentes aos versículos de II João expostos acima. Vejam:

O amor à lealdade do crente a Cristo e à Palavra de Deus devem levá-lo a rejeitar e considerar inimigo do evangelho de Cristo qualquer crente professo (ministro ou leigo) que não for zeloso da "doutrina de Cristo" e dos apóstolos. Todos aqueles que distorcem a doutrina bíblica e a ela se opõem, não devem ser recebidos na comunhão da igreja.

Deus adverte o crente a ter cuidado, para não aceitar os falsos ensinos. É preciso cuidado, porque "já muitos enganadores entraram no mundo (v. 7).

O crente deve classificar todos os ensinadores que não permanecem na doutrina de Cristo, como mestres sem Deus e sob condenação divina (Gálatas 1:9). Deus proíbe o crente de apoiar ou sustentar financeiramente o trabalho de tais mestres e de participar do mesmo. Isso seria participar com eles na oposição a Deus e à sua Palavra e ser passível da mesma condenação dos ensinadores que transigem com a verdade.

Percebem que nem podemos contribuir financeiramente com os falsos ensinadores da Palavra de Deus, pois seremos cúmplices somente pelo fato de apoiarmos os seus trabalhos malignos. Agora, usem o discernimento para identificar os falsos ensinadores da atualidade, os quais recebem contribuições de toda a espécie. Esses contribuidores não estão perecendo junto com eles?

Para finalizar, deixo mais uma reflexão da nota de rodapé da Bíblia citada acima, a qual afirma que os que não amam verdadeiramente o evangelho de Cristo, com certeza, não concordarão com os versículos de II João. Isso não é de se espantar, pois um dos sinais da volta de Cristo seria a apostasia (I Timóteo 4):

Essas palavras solenes de João, inspiradas pelo Espírito Santo, são uma ofensa para muitos na igreja hoje. Acham que a admoestação de João está destituída de amor ou espírito de união. Porém, o ensino de João parecerá errado somente para quem não tem interesse pela glória de Cristo, pela autoridade da Palavra de Deus e para as pessoas que se destroem pelo seu repúdio à verdade de Deus.

*Faltar ao cumprimento do dever por interesse ou má-fé; desobediência (Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa, 2009)

quarta-feira, 29 de agosto de 2012


Pregar o Evangelho de Jesus implica em desagradar aos homens

Você está numa igreja onde, durante os cultos, é só paz e alegria, e após, mais alegria ainda? Você está numa igreja cujas ministrações lhe fazem sentir-se muito bem consigo mesmo(a)? Alguma coisa está errada aqui, desculpe-me.
O Evangelho de Jesus, para o mundo, não é lá muito reconfortante. Implica, basicamente, em “morrermos” para este mundo, e em “tomarmos nossa cruz” para seguir ao Mestre. Ora, quem quer morrer, e quem quer carregar o instrumento que lhe será o motivo de sua morte? O que você sentiria se um assassino lhe fizesse carregar, até o local do crime, a arma com a qual lhe matará?
Forte o que estou dizendo, não é mesmo? Muito melhor pular e gritar e louvar e ouvir palavras de ânimo em cima dos púlpitos, e voltar para casa com a certeza de que somos salvos e, mais do que isso, herdeiros da promessa e mais do que vencedores em todas as áreas da nossa vida: saúde, prosperidade, família, trabalho, etc, etc, etc.
Mas a Palavra de Deus ensina o que, de verdade?
Uma das passagens que mais fala ao meu coração está no episódio de Ananias e Safira, contado no livro de Atos, capítulo 5. Na igreja primitiva nada faltava a ninguém, pois quem tinha mais dividia com quem tinha menos ou não tinha, para que pudesse também ser provido. Assim, a igreja cumpria seu papel social e se deixava ser instrumento para o cumprimento daquilo que Jesus prometeu aos seus: que não precisavam se preocupar com o que comer ou vestir (Mateus 6.25-34). Porém, não era imposto a ninguém tal divisão de bens, a mesma ocorrendo por liberalidade e amor entre os irmãos.
Pois bem, Ananias e Safira venderam um terreno e se dispuseram a doar o valor em prol dos necessitados da igreja, porém esconderam uma parte. Diante de Pedro, seu pecado foi descoberto e o casal acabou morrendo de forma fulminante.
Veja bem como tal acontecimento repercutiu entre os “do mundo”, entre aqueles que a igreja queria alcançar e evangelizar:
“E houve um grande temor em toda a igreja, e em todos os que ouviram estas coisas. E muitos sinais e prodígios eram feitos entre o povo pelas mãos dos apóstolos. E estavam todos unanimemente no alpendre de Salomão. Dos outros, porém, ninguém ousava ajuntar-se a eles; mas o povo tinha-os em grande estima. E a multidão dos que criam no Senhor, tanto homens como mulheres, crescia cada vez mais“. Atos 5:11-14
Olha que coisa maluca: o episódio deixou a igreja atemorizada, afinal viram na prática que o pecado traz a morte. E os de fora, que poderiam ser alcançados facilmente com uma campanha de shows gospel (com harpas e trombetas, ao gosto local), não queriam se unir aos cristãos, com medo do que lhes poderia acontecer, por se reconhecerem pecadores. Mas, ao mesmo tempo, cresceu o número de cristãos. Louco, não é?
E, futuramente, vimos a “qualidade” desses novos cristãos, nascidos do verdadeiro arrependimento, fruto de uma pregação que lhes mostrou o quão pecadores e carentes da misericórdia de Deus eram: esses novos cristãos foram tão fiéis a Deus que se deixaram queimar nas cruzes, se deixaram ser alimento das feras nas arenas romanas, se deixaram martirizar de todas as formas. E quanto mais cristãos morriam, mais o Evangelho de Cristo se espalhava.
Olha que diferença em relação aos nossos dias! Na igreja primitiva, as pessoas não seguiam a Cristo em troca de bênçãos financeiras e em outras áreas da vida: seguiam a Cristo sabendo que isso lhes poderia custar a vida, de forma extremamente dolorosa, e lhes fazer perder tudo aquilo, materialmente falando, que conquistaram até então. Quem queria bênçãos financeiras e outras mais, continuava seguindo os sacerdotes e servindo a César.
Na igreja primitiva, as pessoas tinham verdadeiro temor de Deus e buscavam arrependimento constante. Hoje, nos achamos mais do que vencedores, mais do que salvos, mais do que libertos do pecado, e por isso podemos pecar todos os dias, em todos os momentos, afinal “o sangue de Jesus nos deixou alvos como a neve”. Em tese, muito bonito. Na prática, arrependimento e conversão ZERO.
Vamos voltar às perguntas no início deste texto:
Você está numa igreja onde, durante os cultos, é só paz e alegria, e após, mais alegria ainda? Você está numa igreja cujas ministrações lhe fazem sentir-se muito bem consigo mesmo(a)?
O Evangelho de Jesus não é oba-oba, não é auto-ajuda, não existe para que fiquemos bem. Ao contrário, quanto mais conhecemos a Jesus e à Palavra, mais ficamos angustiados e temerosos. O verdadeiro seguidor de Cristo não consegue dormir direito, sabendo que tem uma fortuna particular e, lá fora, milhões de seres humanos (muitos deles também cristãos) estão morrendo de fome e de frio. O verdadeiro seguidor de Cristo não consegue viver um oba-oba gospel, sabendo que há milhares de cristãos nas masmorras, sendo torturados e mortos por terem optado por Jesus.
Duvida do que estou falando? Leia a Bíblia. Leia o Novo Testamento. Leia os sermões de Jesus e dos apóstolos. Veja o peso que se dá para o arrependimento, para a conversão para uma nova vida. E veja o peso que se dá para “bênçãos”.
É lícito orar por bênçãos? Sim, é. Porém, as bênçãos não podem ser a razão de ser da nossa fé. Lembremos que Deus é soberano para nos dar aquilo que Ele quiser, e para não dar também, se Ele não quiser. Esse Evangelho, infelizmente muitas igrejas não pregam, já que tentam conquistar o consumidor com a promessa de sucesso em poucos dias.
Algumas pessoas acham que, quando fazemos protestos pacíficos, as frases em nossas faixas e camisetas são agressivas. Sinto informar que de agressivas elas não têm nada, se formos nivelar por Cristo. Em muitos eventos dos quais participamos, Ele viria com o chicote e derrubaria as mesas. Nós, timidamente, apenas estendemos frases bíblicas, que soam com verdadeiros xingamentos para quem não quer ver a Verdade.
Muitos pregadores temem afastar os fiéis, caso preguem o que realmente está na Bíblia. Para agradar à platéia, suas ministrações resumem-se em promessas de grandes ganhos financeiros, curas de todas as doenças e afins. Seus cultos se mostram de acordo com a preferência geral: muita música, regada a expressões emocionalistas, que levam os fiéis facilmente às lágrimas (não de arrependimento, mas de pura emoção, como as que nos caem nos olhos após ouvir qualquer música bonita). Tais lágrimas são comumente confundidas com “unção”, quando não passam, muitas vezes, de puro extravasamento humano. Para finalizar, um pregador-showman, que sabe fazer piadinha na hora certa, tem carisma e fala aquilo que as multidões querem (não o que precisam) ouvir.
Queremos seguir a Cristo? Então temos que viver como Ele viveu. Cristo viveu à caça de riquezas e de bênçãos para Si? E os apóstolos, também viveram correndo atrás das bênçãos? E os profetas?
E por que nós, que nos dizemos Seus seguidores, agimos assim?
Quer pregar o Evangelho de Jesus? Não tema desagradar aos homens, pois é isso mesmo que você fará. E desagradar não é novidade nenhuma, pois todos os profetas e pregadores bíblicos desagradaram as multidões do seu tempo. Se seu Evangelho agrada às multidões, repito, alguma coisa está errada.
O verdadeiro Evangelho é aquele que, mesmo desagradando ao ser humano, o traz aos milhares aos pés de Jesus. Esses milhares buscam a Cristo pelo que Ele é, pois o maior tesouro Ele já nos deu: a salvação eterna.
Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos? Porque todas estas coisas os gentios procuram). De certo vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas; mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. – Mateus 6:31-34

 


domingo, 26 de agosto de 2012

Política na Igreja? Diga não


Este ano tem eleição e os políticos estão de olho no voto dos evangélicos. Até ai tudo normal, afinal os políticos vivem de olho nos votos, mas o que é anormal são os lideres evangélicos de olho nas vantagens que a politica e os políticos podem trazer para si e "sua" igreja.
Como nos tempos dos coronéis, lideres evangélicos negociam os votos com candidatos e partidos e  os impõem à comunidade. Sem nenhum pudor estes lideres que se acham donos do rebanho de Deus, escolhem os candidatos, sempre trocando por vantagens inclusive individual e usando o número de votos que sua igreja pode dar.
Estes lideres chegam a blasfemar quando num culto que deveria ser um momento de celebração entre a igreja e Deus, aparecem os políticos com seus discursos. As vezes estes políticos são "crentes" ( digo crente como membros de igreja não como os que crêem e seguem a Jesus) ,outras nem crente são. Sobem aos púlpitos das igrejas ateus, católicos, espiritas, macumbeiros, mulçumanos etc, sempre com um discurso afinado com o pastor.

Usar um espaço da igreja em prol da democracia visando dar subsídios aos irmãos para escolherem seus candidatos pode até ser saudável. Mas não é isso que ocorre.
Este espaço jamais poderia ser no momento da celebração, do culto a Deus.
Este espaço jamais deveria ser uma forma de manipulação e imposição. Se é para esclarecer e colaborar com a democracia todos candidatos deveriam ser convidados para apresentar suas propostas e responder perguntas do povo. Mas isso infelizmente isso não ocorre, ocorre justamento ao contrário, os políticos  de uma  só corrente (escolhidos após negociatas com o líder) são apresentados com candidatos escolhidos por Deus e fazem seus discursos no momento do culto.

Creio que chegou o momento de acabarmos com esta farra.
Cada cristão deve falar com seu pastor bispo ou seja lá qual for o título do líder e protestar. Sem ser ingênuo, sabemos que isso não mudará nada, mas vale a pena conhecer melhor o caráter do líder e esta será uma ótima forma. Após esta tentativa a segunda providência é conversar com outros irmãos e alertá-los. Provavelmente esta segunda tentativa também falhará  no resultado, mas se você alertar um só irmão alienado pelo sistema valerá a pena. Falhando estas duas tentativas de afastar  os  políticos do culto e quando eles estirem lá fica uma sugestão:
1) não ir a este culto.
2) usar camisetas denunciando o uso politico. Se possível usar faixas fora do templo também ( já que dentro não será possível).
3) Quando o  politico se levantar para fazer seu discurso ,virar as costas
4)  Sair do templo.
A ultima providência é não votar nestes candidatos.
Sugestão de camisetas.

Você será visto como rebelde, mas o que é melhor se rebelar contra o erro do que ser conivente com ele. Se você que não concorda se cala, torna-se cúmplice.
Se o pastor quer fazer politica (no pior sentido da palavra)que vá fazer isso nos locais próprios ou no inferno, nunca na igreja. Aliás este pastor está se desviando de sua função,pior, muitas vezes recebendo altos salários ajuda de custos ou prebendas.

Cidadão não vende seu voto, e igreja cidadã também não. Receber tijolos, pisos, aparelhagens de som,, favorzinhos burocráticos, carros, cestas básicas é´vender o voto da igreja ( alias bem barato) e isso é crime eleitoral, alem de pecado, é claro,. Pecado maior ainda ( se é que podemos dar tamanho a pecados) é vender este  os votos onde quem recebe é apenas a cúpula ou o próprio líder ( acreditem isso é muito comum)



É tempo de reação. Não dá para se acovardar,,,, E se "sua" igreja insistir em trocar o reino de Deus pelo reino dos homens é tempo de repensar se vale a pena  estar unida com ela;


                             Você como cristão e evangélico não tem vergonha disso:

Não importa o ministério, importa a troca de favores.
O Cowboy  não poderia ficar de fora

A Marcha era para Jesus, mas não custa dar uma ajudinha aos novos messias.
E colocam textos bíblicos para justificar.

O congresso deveria falar de missões e falou da missão: do candidato.


Deveria ser uma culto a Deus, mas o ministério asssembleiano  preferiu a deusa"

eles até cantam  e oram e te fazem de bobo sob a batuta do pastor.




Presidente Lula entre André Soares, R. R. Soares, Jorge Tadeu e David Soares
R R Soares, os filhos pastores políticos e o Lula.




O voto do povo em troca de benefícios para emissora de TV

Aproveitando um texto do blog estrangeira ( http://estrangeira.wordpress.com/), os apoios dos pastores ao candidatos em São Paulo. Será que consultaram o povo ara falar em nome deles?

Igreja Mundial do Reino de Deus apoia José Serra (http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/08/waldemiro-abencoa-candidatura-serra-prefeitura-sp.html)
Assembléia de Deus do Brás Ministério Madureira apóia Gabriel Chalita (http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2012-08-08/candidatos-a-prefeito-de-sao-paulo-buscam-apoio-de-igrejas.html)
Convenção Geral das Assembléias de Deus apoia José Serra (http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/08/waldemiro-abencoa-candidatura-serra-prefeitura-sp.html)
Igreja Sara Nossa Terra apoia Gabriel Chalita (http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2012-08-08/candidatos-a-prefeito-de-sao-paulo-buscam-apoio-de-igrejas.html)
Igreja Renascer em Cristo vai divulgar apoio a José Serra (http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,serra-se-aproxima-da-renascer-e-tem-apoio-99-fechado,916171,0.htm)
Igreja Universal do Reino de Deus apoia Celso Russomano (http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2012-08-08/candidatos-a-prefeito-de-sao-paulo-buscam-apoio-de-igrejas.html)

Nosso protesto na Marcha para Jesus em BH -2012 - O $how tem que parar!




Uma semana antes do Protesto, já estava tudo combinado como local, horários e faixas.
Na sexta-feira fui buscar o Pr. Paulo Siqueira no hotel para encontrarmos com outros amigos do Rio de Janeiro que também se hospedaria em minha casa.

Foi animador ver o Pr. Paulo bem disposto depois de algum tempo hospitalizado. Ver o cuidado de Deus com os seus.

Descemos e fomos encontrar com o Pr. Neilton e os irmãos do RJ (Romildo e Ideraldo). Ali o papo rendeu horas, trocamos experiências e fomos abençoados e edificados com a história de cada um deles.

Fomos para minha casa, descansamos e jantamos. E depois nos preparamos para o protesto. Oramos e colocamos tudo nas mãos do soberano e eterno DEUS.

O relógio despertou as 6 horas... Todos prontos , faixas embaladas, camisas do protesto no corpo e o coração aberto para fazer a vontade do Senhor.

Chegando no local marcado as 7:30 e fomos recebidos com os outros irmãos. Éramos um numero grande comparado ao ano passado. Emocionante ver que crescemos, principalmente em qualidade! Rever irmãos e conhecer novos irmãos como Flávia, Luis (SP), Nair, Matheus e tantos outros foi um presente de Deus.


Paramos na Praça da bandeira onde era a partida da Marcha para Jesus para instruções aos novos integrantes e orações.

E começa a Marcha e o protesto totalmente pacifico!

Logo no inicio já fomos hostilizados por uma senhora totalmente desequilibrada que gritava: “Sou advogada, vocês não podem ficar aqui! Não podem fazer protesto aqui”. Logo chegaram os policiais e juntamente com o Pr. Paulo deram um fim ao atrito uma vez que a reclamação não havia fundamento.



O sentimento dessa Marcha foi diferente de todas as outras, por várias vezes me peguei chorando estendo as faixas. Lembrei-me que anos atrás eu era um daqueles que estava nesse evangelho açucarado e distante da bíblia, distante de um Evangelho Puro e Simples.

As lagrimas se misturavam com meu clamor para que Deus libertasse seu povo do engano, da escravidão de uma religiosidade medíocre, do engodo e da apostasia.  O amor por cada alma era algo evidente em todos que protestavam.

Por diversas vezes as pessoas as pessoas em cima do trio elétrico liam as frases nas faixas e acenavam com um sinal de positivo. Muitos vieram saber a intenção do protesto e saber um pouco mais sobre o MEEB (Movimento pela Ética Evangélica Brasileira).



Esse ano tinha poucas pessoas, um fracasso na questão de expectativa de publico! Tanto que os últimos trios elétricos partiram praticamente vazios.

O segundo trio era da Renascer em Cristo, e em minha opinião era o que mais parecia com o mundo! Eram jovens com roupas bem sensuais, requebrando ao som das ditas “musicas gospel” com direito a fantasias e perucas coloridas. Não lembrava nem de longe a Noiva de Cristo...



Foi difícil ver a apostasia! Foi difícil ver o quanto a igreja está se parecendo com o mundo! Usam métodos carnais... E atrai pessoas carnais! Não pregam a mudança de vida, a transformação e o arrependimento.

Os trios não respeitaram nem mesmo a área hospitalar. Não abaixaram o som! Lembro-me do Pr. Neilton em frente ao Hemominas pedindo aos irmãos que doassem sangue. Mas em vão.


Um dos momentos mais impressionante do movimento foi quando um dos pastores que se identificou como organizador da Marcha esse ano, vice-presidente da convenção de pastores (acho que batista) e pastor titular da Igreja Batista Central desceu do trio e disse: Uma das faixas me incomodou tanto ao ponto de me fazer descer do trio junto com outros pastores. O mesmo passou o contato para o idealizador do Movimento (PR. Paulo Siqueira) e o convidou para dar uma palavra em sua igreja.



São gestos como esse que nos motiva a continuar na luta pelo Evangelho Puro e Simples.

Seguimos em direção ao nosso alvo: Cristo e a pureza do Evangelho. Sei que o caminho está ficando cada dia mais estreito! Somos perseguidos e ameaçados por isso, mas não vamos nos curvar a Baal  nem que custe a nossa vida.



Agradeço ao Soberano Deus por mais uma vez poder divulgar o Evangelho Puro e Simples. Agradeço por cada vida que recebeu a semente e creio que chegará o tempo que irá florescer, pois a palavra não volta vazia.

Estar em comunhão com os irmãos do MEEB foi enriquecedor e edificante e como disse o Pr. Paulo Siqueira em uma de nossas orações: “Ainda existe pessoas de Deus”!

Postou Wagner Lemos

quinta-feira, 16 de agosto de 2012


No próximo sábado ocorrerá em São Paulo a Segunda Conferência  Simplicidade Cristã. Eu fui a primeira conferência e indico. Se voce quer saber como foi esta conferência veja abaixo as palestras e a música.e  decida participar da segunda, 


1.ª CONFERÊNCIA

Apresentação
A Conferência Simplicidade Cristã busca resgatar aspectos de um estilo de vida simples segundo os valores fundamentais do Evangelho de Cristo. Em sua primeira edição a conferência contou com um número de aproximadamente 200 participantes, tendo como preletores, Pr. Mauricio Abreu de Carvalho, Pr. Ricardo Bitun, Pr. Manoel Thé e na direção do louvor o músico Roberto Diamanso.
A excelente repercussão quanto ao conteúdo abordado e também da organização do evento nos fez almejar novas edições deste projeto – o que buscamos com a 2.ª edição que acontecerá em Agosto/2012. Ficaremos felizes em recebê-lo
Comentários
“Parabéns pelo evento, que o Senhor continue usando vocês para edificação da Sua igreja.Valeu a pena sair daqui S.J.Campos para ver Jesus usando homens de Deus para alertar a igreja do verdadeiro caminho que ela tem que seguir. Glória a Deus por nos permitir que ainda tenhamos momentos assim!” - Antonio Carlos.
 “Excelente a organização do evento, um conteúdo muito bom e simples as pregações acrescentaram muito valor em minha vida, vou ficar na expectativa do próximo” - Débora Moreira.
“Gostei muito do evento, tudo correu conforme o planejado e demonstrado na liturgia, fazia tempo que eu não participava de um evento tão dinâmico e agradável como foi esse.” - Clóvis Alves.
Vídeos da Primeira Conferência:
Pr. Mauricio Abreu de Carvalho
Adquira o DVD da 1.ª Conferencia Simplicidade Cristã: www.dokime.com.br
Pr. Ricardo Bitun
Adquira o DVD da 1.ª Conferencia Simplicidade Cristã: www.dokime.com.br
Roberto Diamanso
Adquira o DVD da 1.ª Conferencia Simplicidade Cristã: www.dokime.com.br

Detalhes sobre a Segunda Conferência o sábado:

segunda-feira, 13 de agosto de 2012


        Protesto pacifíco no Marananazinho

Olharam para ele, e foram iluminados; e os seus rostos não ficaram confundidos. (Sl 34:5)











 

Congresso de "Pastoras"   : Maracananzinho RJ


Chegamos ao maracanazinho por volta das 11:30 da manhã  e já encontramos filas na
entrada principal para o espetáculo dos ídolos gospel, expomos a faixa juntamente com
 o banner do outro lado da pista, sendo  cartão de visita para quem chegava nos ônibus.
Percebemos após a nossa chegada vários grupos nos olhando não com bons olhos, gestos
obcenos  e reprovação.  Aproveitamos para distribuir folhetos cujo título já é conhecido dos
irmãos, contra a famijerada teologia da prosperidade,  notamos  a  propaganda política em massa da canditada e “pastora” responsável pelo evento, sendo notório  à arapuca prepara
da para garantir a sua vaga na camara dos vereadores. Pura manipulação e jogada política,
com uma multidão completamente cega aos propósitos de Deus para suas vidas e perdida no
“frenesi” da idolatria gospel.
O salmista Davi neste salmo acima, fingiu-se de maluco na presença de Abimeleque
Quando foi expulso por este, e certamente aquele povo se possível , nos expulsaria tendo-
nos por malucos segurando aquelas faixas ! No versículo 8 do salmo 34 nos diz:
Oh ! Provai e vede que o Senhor é bom; bem aventurado o homem que nele se refugia.
É de se entender que esta multidão nunca provou deste Deus, e refugiou-se Nle como
o maior bem de suas almas, suas vidas baseia-se única e exclusivamente em experi-
encias humanas, não em um relacionamento com Deus através da sua Palavra.
Na segunda estrofe do salmo 34, o salmista nis diz: Busquei ao SENHOR, e ele me acolheu
Livrou-me de todos os meus temores. A busca a  Deus  tem uma consequencia , o livra-
Mento de todos nossos temores.
Que o SENHOR abra os olhos  destes que ainda continuam cegos no meio do evangelho
Equivocado. No real amor de CRISTO:

 Ideraldo Luís





  
  


domingo, 12 de agosto de 2012

sábado, 11 de agosto de 2012

Jesus alimenta a multidão



” E, tendo mandado que a multidão se assentasse sobre a erva, tomou os cinco pães e os dois peixes, e, erguendo os olhos ao céu, os abençoou, e, partindo os pães, deu-os aos discípulos, e os discípulos à multidão” (Mateus 14:19).

Recentemente estava no metrô de São Paulo, voltando para casa num fim de tarde em meio à multidão. Ao meu lado havia uma senhora lendo um livro, e pelo hábito da leitura logo estiquei meus olhos para ver o que ela estava lendo. Foi quando observei que, além do livro, ela trazia um recorte de jornal com a notícia: “Prefeitura de São Paulo quer proibir o sopão para moradores de rua!”

De imediato levei um susto. Ao chegar em casa fui pesquisar a notícia, e não é que era verdade?
Em continuidade ao que a prefeitura chama de “revitalização do centro de São Paulo”, acredita-se que o sopão faz com que moradores de rua se sintam à vontade nas ruas, pois tendo o que comer não buscam os serviços sociais oferecidos, gerando com isso um ciclo vicioso que alimenta a criminalidade, gerando violência, tráfico e uso de drogas. Esse projeto é continuidade da limpeza da região chamada de “cracolândia”.
Muitos setores da sociedade reagiram a essa notícia, alguns a favor, outros contra. Há explicações para as duas partes. Os sociólogos dizem que o sopão propicia a vida contínua na rua, fazendo com que os moradores de rua se sintam em “casa”, pois tendo onde dormir e comer, de nada mais precisam. Ou seja, o sopão alimentaria a multiplicação da miséria que vemos nas ruas.
Para antropólogos, os miseráveis já se acostumaram à vida sofrida e necessitada, perdendo a expectativa de uma vida diferente, fazendo do seu sofrimento sua cultura de vida, ou seja, sua pobreza e miséria na verdade seriam os instrumentos de sobrevivência, pois muitos vivem de esmolas, pequenos favores e serviços nos faróis e calçadas da vida.
Nas regiões centrais de São Paulo podemos ver o retrato social do nosso país. São centenas de moribundos andando como mortos-vivos, sob efeito de drogas e bebidas. Há muita prostituição, assaltos, violência de todo tipo, tudo isso alimentando a miséria. Há também as vítimas do sistema econômico, desprovidos de moradia, que habitam nos cantos escuros ou em qualquer lugar onde possam estar protegidas do frio e da chuva.
Esse é o retrato social do nosso país. Mesmo na cidade mais rica do Brasil a miséria é vista em todos os cantos. Para muitos, fome e miséria só acontecem nos Estados mais pobres da União. Porém essa é uma realidade presente até mesmo nas principais capitais do país. O sistema econômico faz diariamente suas vítimas, e isso é facilmente percebido nos grandes centros. A miséria se mistura aos centros de compras, aos carros importados, aos bons restaurantes. Diariamente, as nações mais ricas lançam suas bombas econômicas, que vão vitimando a cada dia mais vidas.
Porém, há sinais de esperança em meio a todo o caos. Em meio a tudo isso há pessoas que buscam dar um pouco de dignidade para esse povo esquecido e marginalizado pela sociedade.
São diversas as atitudes de misericórdia ao povo de rua, vindas de instituições ou até mesmo de iniciativas pessoais. Alguns distribuem sopão, outros pão com chocolate quente nas noites frias. Outros roupas, cobertores e agasalhos, tudo motivado pelo desejo de oferecer uma expectativa melhor de vida. É preciso dizer que o povo de rua é pobre, doente, vitima de décadas e décadas de esquecimento do Estado, que serve à burguesia e distribui aos pobres as migalhas que sobram.
Não é de hoje que vemos atitudes como essa na cidade de São Paulo. Há sempre a idéia de que o pobre, o miserável está atrapalhando, tornando a paisagem feia, suja, fétida. E essa é mesma a realidade de quem há muito tempo não tem dignidade em viver.
Essa notícia provocou indignação e revolta em muitos, e com isso o prefeito Kassab abandou essa idéia louca, fazendo com que os meios de comunicação se esqueçam dessa informação.
Fico a me perguntar: porque será que os moradores de rua, os drogados, os necessitados temem e se negam a usufruir do aparato social do Estado?
Precisamos buscar respostas para isso.
Com tudo isso, me lembrei de uma experiência vivida. Anos atrás, eu e um grupo de irmãos da minha igreja todos os domingos distribuíamos almoço aos moradores de rua de nossa cidade. Era feita uma pesquisa de onde havia os necessitados. As senhoras da igreja faziam o alimento que era servido em marmitex. Isso foi feito por muito tempo por nossa igreja, porém um dia esse ato foi marcado para sempre para mim e os demais irmãos.
Enquanto servíamos o alimento, uma senhora parou e ficou a nos observar. Logo se aproximou e perguntou: a qual grupo espírita vocês pertencem?
Eu respondi: somos evangélicos, e ela respondeu com tom de admiração:
“Poxa, eu não sabia que evangélicos faziam caridade!!”
Essa frase marcou minha vida! Não que eu acredite que evangélicos não façam realmente o bem ou a caridade, mas o que me chama a atenção é o fato de que a cada dia mais os atos de misericórdia em prol do próximo são cada vez mais escassos. Quando digo ato de misericórdia, estou me referindo às atitudes em prol da vida e da dignidade humana, sem a busca de qualquer bonificação ou proveito próprio.
É missão da igreja, e principalmente dos cristãos, praticar o bem e lutar pela paz e justiça, principalmente em defesa dos menos favorecidos e necessitados e dos que sofrem. Essa é a essência da mensagem de Cristo. Se ao menos nós conseguirmos enxergar os que sofrem, se ao menos tivermos em nosso vocabulário palavras como misericórdia, amor ao próximo, caridade, compaixão, podemos ter a esperança de que um mundo melhor é possível.
Vejo que muitos cristãos têm dificuldades para praticar atos de misericórdia. Unimo-nos ao mundo em seus valores e passamos a medir nossos atos, sempre exigindo dos mais fracos responsabilidades que não são aplicáveis aos fracos na fé.
Na passagem bíblica da multiplicação dos pães e dos peixes, vários pontos podem ser destacados:
1) – Jesus percebe a necessidade do povo, e tomado de intensa compaixão interfere na realidade da multidão, curando suas enfermidades e providenciando o suprimento.
As atitudes de Jesus diante do sofrimento dos seres humanos sempre foi de compaixão e amor, e nessa passagem bíblica fica claro que Deus não se agrada do sofrimento humano.
2) – Jesus nos demonstra que as coisas materiais não são obstáculos ou desculpas para não fazermos o bem. Ele diz aos apóstolos: dai-lhes vós de comer.
É nossa tarefa praticar o que Ele nos ensinou, e para isso temos que exercitar nossa fé através do elemento principal do cristianismo, que não é o dinheiro ou as coisas findáveis deste mundo. Temos que buscar em nossos corações compaixão pelos que sofrem, e assim teremos as verdadeiras ferramentas para suprir a necessidades dos que sofrem.
3) – Jesus, não se importando da significância ou do valor dos pães e dos peixes, manda a multidão se assentar, dá graças, abençoa os elementos e dá aos discípulos para que eles distribuíssem o alimento ao povo.
Aqui vemos a confirmação do que está escrito nos Salmos 37:3:” confia no Senhor e faze o bem; habitarás na terra, e verdadeiramente serás alimentado”.
O Salmo 37 nos ensina a descansar no Senhor, pois Ele não se esquece dos que sofrem. Vemos que Jesus demonstra aos seus discípulos que o princípio do amor ao próximo é reconhecer os atributos de Deus e saber quem Ele realmente é. O ato de multiplicar, de transformar é de Deus, porém cabe a cada um de nós o ato de praticar a fé verdadeira. Não é possível viver uma fé genuína em Cristo sem a prática do amor ao próximo.
Cabe aos cristãos demonstrar ao mundo que Deus ainda tem compaixão pelos que sofrem, mas isso precisa ser praticado. Precisamos demonstrar até mesmo ao Estado que existem pessoas que acreditam num mundo melhor, através de atitudes de compaixão e amor, que ainda há esperança para os que sofrem. É preciso ter espaço na igreja e na vida dos cristãos para a prática do bem. É preciso dispor de valores em socorro dos que sofrem. É preciso que nas igrejas haja espaço para alimentar os famintos não só da Palavra, mas também de alimento material.
Para isso servem as ofertas e os dízimos. Igreja é casa de Deus. Como pode ser igreja se não há suprimentos para os necessitados?
Esse ato da Prefeitura de São Paulo serve para nossa reflexão, pois demonstra a desumanização do Estado para com os mais necessitados. Mas demonstra que nossas relações com nosso próximo estão a cada dia mais líquidas, não palpáveis, escorregando entre nossos dedos. Temos dificuldades em enxergar as necessidades dos outros, e isso é reflexivo devido à dureza dos nossos corações por nos deixarmos influenciar pelos desejos do mundo.
Que sejamos receptivos ao Espírito Santo de Deus, para que Ele possa transformar nossos corações de pedra em corações cheios de compaixão e amor ao próximo.
“Também vos darei um coração novo, e dentro de vós porei um espírito novo; tirarei da vossa carne o coração de pedra, e dar-vos-ei um coração de carne.Dentro de vós porei o meu espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardareis os meus juízos e os praticareis” (Ezequiel 36:26-27).

Por:  Paulo Siqueira   (http://pedrasclamam.wordpress.com/

                         Visite: Gospel +